Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)

Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)

A degeneração macular relacionada a idade é uma doença acomete a região central da visão ocasionando perda progressiva da acuidade visual. Ela ocorre, na maioria dos casos, na terceira idade, sendo por isso frequentemente chamada degeneração macular relacionada à idade.

Qual a causa da degeneração macular?

A causa da degeneração macular relacionada à idade é de origem multifatorial onde as características genéticas, associado a alguns fatores de risco que são importantes ressaltar, tais como: pessoas acima de 50 anos, fumantes, raça caucasiana, exposição solar aumentada e sexo feminino.

Sinais e Sintomas

Em alguns pacientes começam a surgir depósitos abaixo da retina chamados de drusas, os quais podem ser visualizados durante o exame oftalmológico e em fotografias do fundo de olho. Poucas drusas não causam problemas para a visão. Entretanto, se grande quantidade de drusas aparece, pode haver baixa da visão. Geralmente a visão é afetada quando existem distúrbios com acúmulo de pigmentos ou atrofia das camadas da retina, nesse caso atrofia geográfica. Estas formas de alterações na mácula são conhecidas como degeneração macular "seca", a qual é a forma mais comum (aproximadamente 90%). Atualmente não existe tratamento para DMRI seca, mas sim a prevenção com o uso de complexo vitamínico conforme a fórmula proposta pelo estudo AREDS 2. Há ainda um medicamento chamado Lampalizumabe que mostrou pela primeira vez uma redução na velocidade de progressão da atrofia geográfica através de injeções mensais, esse medicamento está agora em estudo fase III para comprovação de sua eficácia.

Retinografia Colorida

Retinografia Colorida de um paciente com Degeneração Macular
Relacionada à Idade.

Um dos sintomas da degeneração macular é embaçamento da visão central, interferindo na leitura e em outras atividades que exijam visão em detalhe. O paciente vê, por exemplo, o rosto de uma pessoa que esteja próxima sem conseguir ver os detalhes dos olhos ou da boca. Outros sintomas são a distorção no centro de uma paisagem ou das linhas no centro da visão, o esmaecimento das cores, a percepção de uma área escura ou vazia no centro da visão e a alteração do tamanho dos objetos em relação ao olho sadio.

Normal

Normal

Anormal

Procure seu oftalmologista

Um pequeno número de pacientes, aproximadamente 10% segundo estudos populacionais, apresentam a forma "úmida" ou "exsudativa" da degeneração macular, a qual causa uma baixa de visão bem mais acentuada. Nesta condição, vasos sanguíneos anormais crescem abaixo da retina resultando em vazamento de fluidos e hemorragias. A visão pode então subitamente ficar distorcida ou embaçada. É exatamente nesses casos que as injeções intravítreas de anti-VEGF (ranibizumabe ou Lucentis e aflibercepte ou Eylia) são capazes de trazer uma melhora da visão dos pacientes e uma estabilização da doença.

Degeneração

Degeneração macular relacionada à Idade na forma exsudativa ou úmida.

O oftalmologista pode detectar a degeneração macular no estágio inicial durante uma consulta de rotina. Se, ao examinar a parte interna do olho, o oftalmologista notar indícios de degeneração macular, ele poderá realizar os seguintes exames adicionais:

  • Campimetria Computadorizada: um exame que possibilita mapear o campo visual do paciente. O mapa obtido permite a identificação de alterações visuais causadas pelo glaucoma ou pela degeneração macular.
  • Angiofluoresceinografia: exame em que por meio de um corante injetável ministrado ao paciente torna-se possível identificar anormalidades na retina e realizar fotografias que ajudarão a prescrever o tratamento.
  • OCT – Tomografia de Coerência óptica: Este exame produz imagens com alto grau de detalhes da retina e que pode "enxergar" sob a superfície da retina. Resultado Exame

    Resultado de exame de OCT na Degeneração Macular relacionada à idade.

  • Teste da grade de Amsler e teste da visão em cores, usados por alguns oftalmologistas, para monitoramento da visão central e da visão em cores, respectivamente.

Como a degeneração macular pode ser tratada?

A Degeneração Macular do tipo seca não apresenta tratamento atualmente. Pesquisas indicam que suplementos vitamínicos tendem a auxiliar na sua prevenção.

A Degeneração do tipo exudativa pode nos casos em que há sinais de atividade da doença ser tratar com injeções intravítreas como já mencionado anteriormente. É importante lembrar que não há um número mínimo de injeções e também não há como saber o número ideal de injeções para o sucesso do tratamento. O tratamento nessa doença é individualizado, personalizado, cada paciente ou até mesmo cada olho do mesmo paciente pode apresentar diferentes respostas ao tratamento. O segredo do sucesso do tratamento entre outros são dois, o diagnóstico precoce com tratamento o mais rápido possível e a continuidade do tratamento. O abandono das injeções por parte do paciente pode ocasionar em perda visual irreversível, mesmo que tenha tido um ganho inicial de visão.

Em alguns casos, a baixa de acuidade visual residual não é melhorada com uso de óculos comuns, devido ser uma alteração retiniana. Vários auxílios ópticos podem ser utilizados, como: Lupas de mão, monitores especiais, telelupas, lentes de alto grau, dentre outros.

O medico-oftalmologista poderá fazer a prescrição ou fazer o encaminhamento para o especialista de visão subnormal. A Degeneração Macular em si, tecnicamente, nunca leva a cegueira total, mas uma perda da visão central com preservação do campo de visão periférico.

Veja também