Perguntas e respostas sobre saúde ocular infantil

Perguntas e respostas sobre saúde ocular infantil

1. Quais os cuidados que devem ser tomados na gravidez para evitar que as crianças tenham doenças oftalmológicas?

Um exame pré-natal bem conduzido é importante para a identificação e minimização de danos oculares associados a infecções congênitas por toxoplasmose, sífilis, herpes simples, citomegalovírus e rubéola.

2. O que pode ocorrer nos olhos do bebê nos primeiros dias de vida?

Algumas doenças oculares sérias podem aparecer logo após o nascimento, entre elas a catarata congênita, glaucoma congênito, retinopatia da prematuridade, conjuntivites neonatais e o tumor intraocular (retinoblastoma). No entanto, como a criança ainda é muito pequena, os sintomas não são facilmente percebidos. Por isso, é importante fazer o teste do reflexo vermelho, chamado de teste do olhinho, logo após o nascimento ou o mais próximo deste. Lactentes com história familiar de retinoblastoma, catarata congênita, doença metabólica e doenças genéticas devem ter um exame oftalmológico no hospital ou no primeiro mês de vida.

3. Como saber se meu filho está precisando de óculos?

Quando há precedente familiar, redobre a atenção para possíveis sinais de visão baixa. Muitas vezes a ciança não percebe a baixa acuidade visual, principalmente nos casos em que apenas um olho é afetado. Quando o esforço para enxergar é muito grande, os olhos podem lacrimejar e ficar vermelhos, é comum ela se aproximar de livros e da televisão. O rendimento na escola pode cair e tanto os pais quanto os professores podem atribuir o mau desempenho a déficit de atenção ou até atraso mental, quando na verdade a criança perde o interesse nos estudos por sentir dificuldades para ler e prestar atenção. Sempre é preciso consultar um oftalmologista.

4. Quando devo levar meu filho ao oftalmologista?

Se for diagnosticada alguma anormalidade no teste do reflexo vermelho, o médico irá encaminhar o caso para um oftalmologista imediatamente. Todos os lactentes devem ser examinados aos 6 meses de idade para avaliar a qualidade de fixação, alinhamento binocular e doenças oculares. Se estiver tudo certo, a próxima consulta pode ocorrer por volta de 3 anos para avaliação de acuidade visual e refração.

5. Posso fazer algo para identificar um problema ocular na criança?

Os pais podem testar a visão dos seus filhos em casa, da seguinte maneira: pegue dois objetos ou brinquedos semelhantes, com os quais a criança esteja familiarizada, e mostre-os a aproximadamente quatro metros de distância dela. Tampe um olho e pergunte o que é cada um deles, repetindo o mesmo com o outro olho. Com os bebês, basta tampar os olhos da mesma maneira e observar quando houver algum tipo de reação ou incômodo. Mas lembre-se que só o médico pode confirmar algum problema.

6. Quais são os problemas de visão mais comuns em crianças?

Geralmente os mesmos que acometem os adultos: hipermetropia (dificuldade para enxergar para perto), miopia (dificuldade para enxergar para longe), astigmatismo (dificuldade para perto e longe) e estrabismo (falta de paralelismo entre os olhos). Nas fases escolar e pré-escolar, a prevenção deve estar voltada para a detecção precoce e tratamento da ambliopia (conhecida popularmente como vista preguiçosa). A função visual desenvolve-se do nascimento até os 6 a 7 anos de idade. Os estímulos visuais são imprescindíveis para que a maturação ocorra. Caso a visão não seja completamente desenvolvida até então, a diminuição da acuidade visual é irreversível. As principais causas de ambliopia são: estrabismo (olho torto), anisometropia (diferenças maiores de grau entre os olhos) e altas ametropias (grau muito alto em ambos os olhos).

7. A partir de qual idade as crianças já podem usar óculos?

Não há idade mínima. Vai depender do problema ocular do bebê. Em casos de estrabismo, por exemplo, pode ser necessário usar óculos com 4 ou 6 meses. Existem armações adequadas para bebês, que são de silicone, mais leves e maleáveis. Algumas possuem elástico, tecido ou velcro para garantir melhor fixação ao rosto. Os óculos com grau só podem ser receitados pelo oftalmologista e recomenda-se que sejam conferidos após serem feitos.

8. Quais são os melhores modelos de óculos para crianças?

As armações de acrílico são mais resistentes. Devem estar adaptadas ao rosto da criança e não podem estar soltas e nem apertadas no nariz e atrás da orelha. As hastes que se prendem atrás da orelha são melhores para as crianças. As lentes devem ser de acrílico, pois são mais leves ou ainda de policarbonato que são bem resistentes. Evitar lentes foto-cromática e anti-reflexo para crianças, pois sujam com mais facilidade. Quando o grau for elevado, pode-se usar lentes especiais que deixam os óculos mais leves e mais finos Trocar de óculos sempre que a armação estiver defeituosa ou se as lentes estiverem muito riscadas Na hora de escolher a armação, leve seu filho e não só a receita, assim você garante a melhor opção para ele.

9. Como convencer meu filho a usar óculos?

Em primeiro lugar os pais e parentes devem sempre incentivar o uso dos óculos nas crianças com frases do tipo: "muito bem, ficou ótimo de óculos; está muito bonito e charmoso..." Sempre evitar frases como "que judiação.... coitadinha.... que dó..." Isso só faz com que a criança tenha rejeição aos óculos e desenvolva problemas psicológicos.

Converse com ele e explique a situação. Outra boa tática é mostrar a ele um desenho com e sem o óculos, assim ele poderá assimilar melhor a necessidade de usar a correção. Dê preferência a modelos de personagens que ele goste e o faça participar do processo de escolha.

10. O uso de lentes de contato é recomendável?

Em crianças a preferência é sempre pelos óculos, mas há casos específicos em que as lentes de contato são indicadas. O que precisa ser considerado é a responsabilidade dos pais e dos filhos quanto aos cuidados necessários. É preciso muita atenção à higiene e saber manusear o estojo, o soro e as lentes da maneira correta.

Veja também