Ceratite e Úlcera de Córnea

Ceratite e Úlcera de Córnea

Ceratite

Ceratite é qualquer inflamação na córnea, a membrana transparente do olho. Pode ser infecciosa ou não, superficial ou profunda, de ocorrência única ou múltipla.

As CAUSAS podem ser:

  • Micro-organismos, como bactéria, vírus ou fungo (Fig 1 a 5);
  • Trauma local superficial (Fig 6 – corpo estranho);
  • Uso indevido de lentes de contato e/ou cuidados inadequados com as mesmas;
  • Olho seco severo;
  • Fatores ambientais;
  • Reação alérgica a produtos em suspensão no ar ou a maquiagem;
  • Baixa taxa de vitamina A.
Ceratite

Tratamento

Vários tipos de ceratite são tratados em questões de dias e os sintomas desaparecem. Algumas vezes, contudo, a ceratite deixa cicatrizes profundas na córnea, afetando a qualidade visual. A falta de tratamento ou a demora em procurar o especialista pode levar a complicações, incluindo glaucoma, úlcera de córnea e até cegueira.

O tratamento deve ser seguido precisamente, para evitar complicações. Exames laboratoriais podem ser necessários para descobrir qual o agente causador e direcionar o tratamento. A opção de tratamento depende do tamanho, gravidade e tempo de evolução da doença. Após identificar o tipo de ceratite, o médico indicará o tratamento com colírios ou pomadas oftálmicas de efeito antibiótico, antifungicida ou antiviral, podendo também associar medicamentos de via oral.

O tratamento clínico é feito com antibióticos, lubrificação intensa, curativo oclusivo e lente de contato terapêutica.

O tratamento cirúrgico pode ser um recobrimento conjuntival ou uma blefarorrafia (fechamento parcial das pálpebras). Devido às sequelas persistentes em alguns casos, pode ser indicado um tratamento a laser ou um transplante de córnea.

Úlcera de córnea

Ulcera

É uma ferida aberta na superfície da córnea, como uma erosão. Pode atingir somente a camada mais externa da córnea, o epitélio, mas também pode ter maior penetração até ao ponto de perfurar a córnea. É sempre um quadro emergencial em oftalmologia, requerendo disciplina do paciente no tratamento, com visitas diárias ao oftalmologista por curto período de tempo.

Tratamento

A opção de tratamento depende do tamanho, gravidade e tempo de evolução da doença. Pode variar desde tratamento clínico não intervencionista com antibióticos, lubrificação intensa, curativo oclusivo e lente de contato terapêutica, a procedimentos cirúrgicos, como recobrimento conjuntival e tarsorrafia (fechamento parcial das pálpebras).

Veja também